Enxaqueca na mulher e hormônios

Durante o período fértil, observa-se 2 a 3 x mais enxaqueca na mulher do que no homem

Durante a infância a estatística mostra que meninos e meninas tem a mesma frequência de dor de cabeça, mas durante a idade fértil da mulher, a estatística muda completamente. Observa-se 2 a 3 x mais enxaqueca na mulher do que no homem. Após a menopausa, a estatística se iguala novamente.

Porém, a cada ciclo menstrual, a mulher pode sofrer bastante. Isso ocorre por causa da variação do estrogênio, principalmente na queda. Ela ocorre em 2 momentos do ciclo, de maneira mais leve após a ovulação e de maneira mais acentuada antes da menstruação. Após o primeiro dia da menstruação, o estrogênio volta a subir, aliviando a enxaqueca.

Caso a mulher sofra com a queda do estrogênio, podemos sugerir ao ginecologista interromper a menstruação com anticoncepcionais de baixa dose ou a base de progesterona. Não se recomenda para o tratamento da cefaleia menstrual pausar o anticoncepcional para poder menstruar, pois a queda do estrogênio vai ser maior e mais abrupta do que o natural, podendo piorar a dor pré-menstrual.

A gravidez é um período de alívio, pois maioria (70%) das enxaquecosas melhoram nessa fase. A explicação é que na gravidez não ocorre variações hormonais e os níveis de estrogênio ficam baixos e a progesterona alta, protegendo contra enxaqueca. Em contrapartida, 10% das pacientes podem piorar. O primeiro trimestre é o querer mais atenção, pois os hormônios ainda estão se estabilizando e é o período de formação do bebê. O período de melhoria se mantém durante a amamentação, mas quando a mulher volta a mentruar, as dores de cabeça podem voltar.

Posteriormente, quando a mulher está entrando na menopausa, chamado de climatério, as oscilações hormonais ficam muito irregulares, podendo ocorrer o agravamento das crises. O suporte hormonal nem sempre é um vilão, ele pode ser um aliado contra a enxaqueca.

Enxaqueca na mulher e risco de AVC

Os estudos mostram que as pacientes que tem enxaqueca apresentam risco 2x maior de AVC que a população normal. Para lembrar, o risco geral da população é de 1% a cada ano. Porém o grupo que tem enxaqueca com aura e toma anticoncepcional de alta dose tem risco 8x maior de AVC. Já a enxaqueca na mulher fumante e que usa anticoncepcional, tem seu risco 20 x maior!

Referências

Etminan, Mahyar, et al. “Risk of ischaemic stroke in people with migraine: systematic review and meta-analysis of observational studies.” Bmj 330.7482 (2005): 63.

Calhoun. Hormonal Contraceptives and Migraine With Aura-Is There Still a Risk? Headache. 2017 Feb;57(2):184-193. doi: 10.1111/head.12960. Epub 2016 Oct 24.

Tsai, Chia-Lin, et al. “The potential impact of primary headache disorders on stroke risk.” The journal of headache and pain 17.1 (2016): 108.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!