A Fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta com dor nos tecidos fibroso e muscular de diferentes partes do corpo por longos períodos, além de cansaço e alterações no sono, na memória e no humor.

Muitas vezes incapacita severamente quem sofre com ela. O mais difícil de lidar é a dor que é mais intensa e prolongada que uma dor normal. Também é difusa e afeta várias partes do corpo ao mesmo tempo.

É mais comum em mulheres e sua prevalência aumenta conforme a idade. A maior parte dos casos de fibromialgia inicia-se entre os 30 e 55 anos de idade.
Diagnósticos de fibromialgia
O tratamento para fibromialgia é um dos grandes desafios atuais da medicina. Até o momento não se sabe qual a verdadeira causa da doença. Os sintomas iniciam-se após um evento pontual, tal como um estresse físico ou psicológico. Mas boa parte dos casos não se consegue detectar nenhum gatilho para o surgimento dos sintomas. Pessoas com histórico familiar apresentam mais chance de ter fibromialgia que o resto da população, o que sugere uma causa genética.
O doente refere sensação de articulações inchadas, o que é realmente apenas uma sensação, já que o edema não é comprovado ao exame físico. São dores constantes e que pioram ao toque. Quando questionados onde dói, muitos respondem “dói tudo“.
Não existe nenhum exame laboratorial ou de imagem que confirme o diagnóstico de fibromialgia. Os exames só servem para se descartar outras causas de dor crônica. A presença de sinais inflamatórios nas articulações, lesão muscular, alterações laboratoriais ou lesões neurológicas ao exame físico, descartam o diagnóstico de fibromialgia.
O comum é que os médicos a diagnostiquem por meio de análise clínica dos pacientes em 18 pontos do corpo que são sensíveis à pressão. Também são levados em conta sintomas comuns, como:
– Fadiga
– Rigidez
– Transtornos do sono
– Deterioração e ansiedade
– Transtornos gastrointestinais
Classificação Em Quatro Tipos
Os especialistas classificaram a fibromialgia em quatro tipos para facilitar o tratamento:
– Tipo 1: se não há doença concomitante
– Tipo 2: quando simultaneamente há doenças reumáticas e autoimunes
– Tipo 3: se há uma grave alteração psicopatológica
– Tipo 4: corresponde aos pacientes que simulam ter a doença
Os sintomas de fibromialgia são muitos similares a sintomas de outras síndromes. Por isso, é importante, durante a consulta, descrever todos os seus sintomas e a intensidade das dores que sente. Falar sobre problemas médicos que teve no passado, bem como o de seus parentes. Relatar também todos os medicamentos e suplementos que toma. Se tem problemas ao dormir o médico deverá perguntar também sobre eventuais sintomas de depressão e ansiedade.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!

Categorias

Arquivos