AGULHAMENTO SECO OU INFILTRAÇÃO DE PONTOS-GATILHO

Agulhamento seco é um tratamento disponível para vários tipos de dor de cabeça.

O agulhamento seco, também chamado de infiltração de pontos-gatilho, é um procedimento utilizado para tratamento de diversos tipos de dor de cabeça e dor crônica. O termo “seco” se refere a não ser necessário utilizar anestésico para obter o resultado. O alvo do agulhamento são os “pontos-gatilho”, ou seja, pontos musculares super contraídos. Popularmente são conhecidos como nódulos musculares.

Quando o paciente se queixa de dor muscular crônica, ou seja, aquela dorzinha que sempre está presente, mesmo leve. Trata-se da síndrome miofascial. É a principal causa de dor muscular crônica no ser humano. Infelizmente ela é pouco diagnosticada. Resumindo, os músculos podem gerar os chamados pontos-gatilho miofasciais (PGM). Esses pontos são pontos duradouros, causando dor persistente e constante.

Com muita frequência o paciente descreve uma dor leve, pesada, diária e persistente. Pode piorar no final do dia ou a noite e em épocas mais frias do ano. Picos de estresse e má postura ou apertamento dentário podem agravar essa dor. Estes pontos também foram reconhecidos como ativadores de crises de enxaqueca.

Estes pontos podem ser encontrados através do exame cefaliátrico minucioso e experiente. Palpa-se todos os músculos do crânio, pescoço e mandíbula. Examina-se a movimentação da cabeça (inclinação, rotação, flexão e extensão) e da mandíbula (abertura oral e lateralização). Observa-se limitações dos movimentos e se algum movimento desperta desconforto semelhante a que o paciente sente durante as crises de dor de cabeça.

Aplicação
O agulhamento seco é bem simples, mais simples do que o bloqueio, pois não necessitamos usar anestesia, basta apenas uma agulha muito fina, semelhante a agulha da acupuntura. Atravessamos a pele e, diferente do bloqueio, os pontos-gatilhos se encontram mais profundamente do que os nervos, em torno de 1 a 3 centímetros.

O objetivo é que a ponta da agulha toque o ponto-gatilho e desperte uma sensação que espalha ao redor da aplicação. O resultando é um relaxamento muscular instantâneo. Imediatamente após o agulhamento seco o paciente repete o movimento que era limitado e causava dor e passa a executar o mesmo movimento sem dor e com amplitude maior.

Nestes casos, o paciente precisa também de um programa de fisioterapia. Os músculos precisam ser alongados e então fortalecidos. Fatores perpetuantes devem ser corrigidos, pois posturas erradas mantem PGM cervicais e apertamento dentário mantem PGM temporo-mandibulares.

Os estudos mostram que 40 % dos pacientes portadores de enxaqueca apresentam pontos-gatilho miofasciais na musculatura próxima aos locais das crises. Em média, foram encontrados 4 pontos-gatilho em cada paciente e a desativação destes pontos é recomendada por eles serem uma importante fonte de estímulo para as crises de enxaqueca.

Referências
Robbins, Matthew S., et al. “Trigger point injections for headache disorders: expert consensus methodology and narrative review.” Headache: The Journal of Head and Face Pain 54.9 (2014): 1441-1459.

Robbins, Matthew S., et al. “Procedural headache medicine in neurology residency training: a survey of US program directors.” Headache: The Journal of Head and Face Pain 56.1 (2016): 79-85.

Sabatke, Svetlana, et al. “Injecction of trigger points in the temporal muscles of patients with miofascial syndrome.” Arquivos de neuro-psiquiatria 73.10 (2015): 861-866.

da Silva Queiroz, Mariana Luiza, et al. “Associação dos pontos gatilhos miofasciais com as cefaleias primárias: revisão da literatura.” Headache 5.4 (2014): 97-106.

Ferracini, Gabriela N., et al. “Myofascial Trigger Points and Migraine-related Disability in Women With Episodic and Chronic Migraine.” The Clinical journal of pain 33.2 (2017): 109-115.

Calandre, E. P., et al. “Trigger point evaluation in migraine patients: an indication of peripheral sensitization linked to migraine predisposition?.” European journal of neurology 13.3 (2006): 244-249.

Ghanbari, Ali, et al. “Migraine responds better to a combination of medical therapy and trigger point management than routine medical therapy alone.” NeuroRehabilitation 37.1 (2015): 157-163.

Giamberardino, Maria Adele, et al. “Contribution of myofascial trigger points to migraine symptoms.” The Journal of pain 8.11 (2007): 869-878.

Fernández-de-Las-Peñas, César. “Myofascial head pain.” Current pain and headache reports 19.7 (2015): 28.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!