A aplicação de toxina botulínica é um tratamento disponível para apenas 1 tipo de dor de cabeça, chamada de enxaqueca crônica. Neste caso, os pacientes sofrem de dor de cabeça mais 15 dias por mês por 3 meses seguidos. A toxina botulínica não trata casos de enxaqueca comum, ou seja, se o paciente tem 1 crise por mês, a aplicação da toxina botulínica não surtirá efeito, nestes casos o tratamento recomendado seria com medicamentos profiláticos orais.

O procedimento é simples, não requer preparo, nem anestesia, no máximo um gel anestésico para diminuir a sensibilidade. Feito no próprio consultório, a toxina botulínica é aplicado milímetros abaixo da pele, em pontos próximos aos nervos cranianos e cervicais. É usada uma agulha muito fina, menor que a de insulina. São 31 pontos espalhados pelo crânio e cervical.

A toxina botulínica começa a fazer efeito após 7 dias da aplicação e dura 3 meses, e os resultados são expressivos. o estudo preempt, publicado em 2010, foi o maior estudo científico já realizado em pacientes com enxaqueca crônica.

Após 2 aplicações, observou-se que em 6 meses os pacientes reduziram suas dores de cabeça pela metade, com um resultado geral de 50%. Parece pouco, mas dos tratamentos disponíveis para a enxaqueca crônica é praticamente o único que tem resultados expressivos. e dentro deste grupo, existem os super respondedores, que são aqueles que melhoram mais que 75%. Um a cada 4 pacientes (25%) que aplicam toxina botulínica são super respondedores. Por outro lado, tem um grupo de 30% de pacientes que não respondem a toxina botulínica.

A explicação científica é que a toxina botulínica impede a liberação de uma substância chamada cgrp (peptideo relacionado ao gene da calcitonina) que tem papel importante na vasodilatação cerebral e faz com que a dor de cabeça fique cada vez mais forte. As pesquisas mostram que o cgrp só se encontra aumentado na enxaqueca crônica.

Por este motivo, a toxina botulínica não funciona para enxaqueca comum, nem para cefaleia tensional, nem para cefaleia em salvas e outras dores. A toxina botulínica não permite que o cgrp atue, impedindo que a crise “ganhe” força. A principal resposta que o paciente tem é que a crise de enxaqueca ameaça vir, mas não vem. Ele tem efeito pleno por 12 semanas, após esse período a cgrp volta a ser produzida. Por isso, para que consigamos regular esse sistema, precisamos aplicar um ciclo de 5 aplicações, que são realizadas a cada 12 semanas no período de 1 ano. o objetivo é descronificar a enxaqueca, voltando ao padrão de enxaqueca comum, que é bem mais fácil de ser tratada e é bem menos incapacitante.

cernuda-morollón, eva, et al. “interictal increase of cgrp levels in peripheral blood as a biomarker for chronic migraine.” neurology 81.14 (2013): 1191-1196.

ashina, m., et al. “plasma levels of calcitonin gene-related peptide in chronic tension-type headache.” neurology 55.9 (2000): 1335-1340.

hepp, zsolt, et al. “comparative effectiveness of onabotulinumtoxina versus oral migraine prophylactic medications on headache-related resource utilization in the management of chronic migraine: retrospective analysis of a us-based insurance claims database.” cephalalgia 36.9 (2016): 862-874.

simpson, david m., et al. “practice guideline update summary: botulinum neurotoxin for the treatment of blepharospasm, cervical dystonia, adult spasticity, and headache report of the guideline development subcommittee of the american academy of neurology.” neurology 86.19 (2016): 1818-1826.

dodick, david w., et al. “onabotulinumtoxina for treatment of chronic migraine: pooled results from the double‐blind, randomized, placebo‐controlled phases of the preempt clinical program.” headache: the journal of head and face pain 50.6 (2010): 921-936.

silberstein, stephen d., et al. “per cent of patients with chronic migraine who responded per onabotulinumtoxina treatment cycle: preempt.” j neurolneurosurg psychiatry 86.9 (2015): 996-1001.

cernuda-morollón, eva, et al. “long-term experience with onabotulinumtoxina in the treatment of chronic migraine: what happens after one year?.” cephalalgia 35.10 (2015): 864-868.

pedraza, maría isabel, et al. “onabotulinumtoxina treatment for chronic migraine: experience in 52 patients treated with the preempt paradigm.” springerplus 4.1 (2015): 176.

robbins, matthew s., et al. “procedural headache medicine in neurology residency training: a survey of us program directors.” headache: the journal of head and face pain 56.1 (2016): 79-85.

negro, andrea, et al. “onabotulinumtoxina 155 u in medication overuse headache: a two years prospective study.” springerplus 4.1 (2015): 826.

negro, andrea, et al. “a two years open-label prospective study of onabotulinumtoxina 195 u in medication overuse headache: a real-world experience.” the journal of headache and pain 17.1 (2015): 1.

grazzi, licia, and susanna usai. “botulinum toxin a: a new option for treatment of chronic migraine with medication overuse.” neurologicalsciences 35.1 (2014): 37-39.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!

Categorias

Arquivos