Este procedimento está indicado no tratamento de diversos tipos de dor de cabeça. trata-se de um procedimento simples, seguro, usado no mundo todo há décadas, não requer internação ou preparo, podendo ser comparado a uma anestesia dentária.

O crânio possui vários nervos, alguns são ramos periféricos do nervo trigêmeo e outros são nervos originados da coluna cervical. Uma parte fundamental no exame físico de um paciente que sente dor de cabeça é a palpação minuciosa e detalhada de cada nervo ao redor do crânio.

Muitas vezes observamos que alguns ou vários destes nervos estão hipersensíveis, e ao serem tocados suavemente eles disparam um desconforto muito semelhante às crises de dor de cabeça que o paciente sente no dia a dia. estes pontos normalmente ficam sensíveis mesmo quando o paciente está fora da crise. Os sintomas mais comuns são formigamento, sensação de calor ou frio na área acometida, pontadas ou choques localizados. Muitos pacientes queixam de dificuldade em amarrar o cabelo e até mesmo de encostar a área sensível no travesseiro. Esse conjunto de achados são chamados de alodinia craniana.

a aplicação é rápida, durando poucos segundos. Feita muitas vezes com o paciente sentado, mas naqueles pacientes com tendência a queda de pressão deixamos a cadeira mais inclinada ou mesmo deitada. Injetamos um volume bem pequeno de um anestésico chamado lidocaína e usamos uma agulha muito fina, menor que a de insulina, logo abaixo da pele do crânio. Os nervos se localizam a milímetros da pele.

Em poucos segundos, a área da pele correspondente ao nervo anestesiado encontra-se dormente e aquela dor desaparece imediatamente. Os resultados no alívio das crises de dor de cabeça podem se iniciar imediatamente e duram por semanas e em alguns casos por meses. A explicação é que o bloqueio de um nervo hipersensível “desliga” uma importante fonte de estímulo para as crises de dor de cabeça. Todas as pesquisas são unânimes em dizer que efeito do bloqueio dura muito mais do que o efeito local da anestesia, mostrando um efeito neuromodulador da aplicação.

a literatura recomenda 3 aplicações com intervalo de 15 dias entre elas para se alcançar um melhor resultado na dessensibilização craniana. Progressivamente, o paciente sente crises mais fracas, mais responsivas aos analgésicos e com intervalos cada vez maiores.

Estudos mostram que 50 a 80% dos pacientes portadores de enxaqueca apresentam nervos sensíveis. este procedimento pode ser usado tanto para tratamento agudo da enxaqueca como tratamento de transição, ou seja, até que os profiláticos iniciem sua ação, que ocorre em média de 30 dias.

robbins, matthew s., et al. “procedural headache medicine in neurology residency training: a survey of us program directors.” headache: the journal of head and face pain 56.1 (2016): 79-85.

dilli, esma, et al. “occipital nerve block for the short-term preventive treatment of migraine: a randomized, double-blinded, placebo-controlled study.” cephalalgia 35.11 (2015): 959-968.

afridi, s. k., et al. “greater occipital nerve injection in primary headache syndromes–prolonged effects from a single injection.” pain 122.1 (2006): 126-129.

dach, fabíola, et al. “nerve block for the treatment of headaches and cranial neuralgias–a practical approach.” headache: the journal of head and face pain 55.s1 (2015): 59-71.

hascalovici, jacob r., and matthew s. robbins. “peripheral nerve blocks for the treatment of headache in older adults: a retrospective study.” headache: the journal of head and face pain 57.1 (2017): 80-86.

piovesan, elcio j., pedro a. kowacs, and michael l. oshinsky. “convergence of cervical and trigeminal sensory afferents.” current pain and headache reports 7.5 (2003): 377-383.

bartsch, t., and peter j. goadsby. “the trigeminocervical complex and migraine: current concepts and synthesis.” current pain and headache reports 7.5 (2003): 371-376.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!

Categorias

Arquivos