Prevenção com remédio

Como existem mais de 150 tipos diferentes de dor de cabeça, cada tipo tem seu tratamento preventivo próprio

A prevenção com remédio pode ser utilizada sempre que a dor de cabeça se torne uma queixa frequente ou cause qualquer tipo de limitação. Não se pode admitir que um indivíduo perca dias de vida ou atividades do cotidiano por conta da cefaleia.

Os remédios utilizados são muito vaiados. Podemos usar anti-hipertensivos para tratar enxaqueca, anticonvulsivantes para tratar neuralgia do trigêmeo e antidepressivos para tratar cefaleia cervicogênica.

No caso da enxaqueca comum, a prevenção com remédio da enxaqueca está indicada quando o paciente tem 3 crises por mês por 3 meses seguidos, independente da intensidade da dor de cabeça ou 1 crise forte por mês por 3 meses seguidos.

O tratamento tem base no uso de medicamentos neuromoduladores, ou seja, medicamentos que devem ser tomados todos os dias por um período mínimo de 6 meses. Os medicamentos de primeira linha são alguns antidepressivos, anticonvulsivantes, anti-hipertensivos e antivertiginosos. São usados em uma dose muito menor do que usados para essas finalidades.

Prevenção com remédio é geralmente alcançada com doses baixas
Por exemplo, topiramato é uma medicação que trata epilepsia, na dose de 200 a 400 mg, mas para tratar enxaqueca usamos de 25 mg até no máximo 100 mg. ainda, topiramato é conhecida por não ser uma medicação muito eficaz na epilepsia, porém seu uso na enxaqueca foi consagrado pela grade eficácia.

Existem vários profiláticos, e a escolha deve ser personalizada de acordo com o perfil de cada paciente.

Referências
Chronicle, Edward P., and Wim M. Mulleners. “Anticonvulsant drugs for migraine prophylaxis.” The Cochrane Library (2016).

Silberstein, S. D., et al. “Evidence-based guideline update: Pharmacologic treatment for episodic migraine prevention in adults Report of the Quality Standards Subcommittee of the American Academy of Neurology and the American Headache Society.” Neurology 78.17 (2012): 1337-1345.

Kowacs, Pedro A., Elcio J. Piovesan, and Stewart J. Tepper. “Rejection and acceptance of possible side effects of migraine prophylactic drugs.” Headache: The Journal of Head and Face Pain 49.7 (2009): 1022-1027.

Jackson, Jeffrey L., et al. “A comparative effectiveness meta-analysis of drugs for the prophylaxis of migraine headache.” PLoS One 10.7 (2015): e0130733.

Lanteri-Minet, Michel, et al. “Revised French guidelines for the diagnosis and management of migraine in adults and children.” The journal of headache and pain 15.1 (2014): 2.

Pringsheim, Tamara, et al. “Canadian Headache Society guideline for migraine prophylaxis.” Can J NeurolSci 39.2 Suppl 2 (2012): S1-59.

Compartilhe este artigo, Escolha a plataforma!